Top 15: Melhores Filmes de Todos os Tempos (Por Cleber Eldridge)

Por Cleber Eldridge.

Sim senhoras e senhores, hoje é meu aniversário, singelo editor aqui do CineComPipoca, e a equipe geral me concedeu essa espaço para eleger e falar um pouco sobre os meus quinze filmes favoritos, essa é uma lista pessoa, então com certeza existirá discordâncias e tudo mais, mas são os meus quinze filmes favoritos, ou seja é uma lista muito particular – de qualquer forma espero que gostem – sem mais delongas eis a lista.

sunset_blvd_normadesmond115. Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, 1950)
Eu sinto muito por você que nunca assistiu essa obra-prima de Billy Wilder, também sinto muito, porque se você nunca assistiu esse filme, comece a reconsiderar sua classificação de cinéfilo – só é quem já assistiu esse filme – a ex-estrela de filmes mudos Norma Desmond vive solitária com seu fiel empregado Max von Mayerling em sua mansão residida no endereço da famosa Sunset Blvd, sua vida ganha uma nova guinada quando o fracassado roteirista Joe Gillis chega em sua casa fugindo de cobradores, utilizando a mansão como cativeiro perfeito para que ninguém o encontre, quando Norma descobre que Gillis é um roteirista, resolve lhe mostrar o rascunho de uma história, e pede que o rapaz a melhore para que Cecil B. DeMille a dirija no papel principal
– é uma história de Hollywood para Hollywood, com uma das melhores atuações femininas da história do cinema.

039-james-stewart-theredlist14. A Mulher Faz o Homem (Mr. Smith Goes to Washington, 1939)E se você também nunca assistiu uma obra do mestre Frank Capra, aposente sua carreira cinéfila ou se faça o favor e vá assistir qualquer uma de suas principais obras – agora – porque Frank Capra é um mestre em termos da simplicidade humana – sem contar que a parceria do diretor com o ator James Stewart lhe rendeu alguns dos melhores filmes de todos os tempos, inocente homem do interior (James Stewart) é convidado a se tornar senador dos Estados Unidos e aos poucos descobre-se em um mar de lama que ameaça tudo o que ele acreditava em relação à bondade e ao caráter dos comandantes de seu país, é perfeito.

1213. Batman – O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight, 2008)
Todo mundo sabe que esse é o melhor filme de super-herói que existe, e não neguem e reconheçam é de longe uma obra-prima em todos os termos, Chris Nolan chegou ao auge de sua carreira (que já era excelente) com essa aventura alucinante e com possivelmente o melhor vilão da história do cinema – após dois anos desde o surgimento do Batman, os criminosos de Gotham City têm muito o que temer. Com a ajuda do tenente James Gordon e do promotor público Harvey Dent, Batman luta contra o crime organizado. Acuados com o combate, os chefes do crime aceitam a proposta feita pelo Coringa e o contratam para combater o Homem-Morcego – excepcionalmente dirigido, um elenco afiado, uma trilha sonora rica e cenas que não saem da cabeça, essa é a melhor aventura que qualquer cinéfilo pode querer.

5qy65yppiyx5mwlodawo2tcod12. Um Dia de Cão (Dog Day Afternoon, 1975)
O filme em que tudo o que você nunca imagina acontece no meio de um assalto – na capa nacional do filme está escrito “o roubo deveria ter levado dez minutos, quatro horas depois, o banco parecia um espetáculo, oito horas depois, era noticia em toda a rede de televisão, doze horas depois se tornou uma história emocionante” – agora imagina tudo o que acontece no meio do assalto, Al Pacino está em sua melhor atuação – está insano – e é aquele filme que não adianta tentar prever alguma coisa – o filme é baseado em eventos reais (considerado o melhor roteiro de todos os tempos) um homem (Al Pacino) e um cúmplice estão cercados em um banco, com os funcionários como reféns, ao tentarem assaltá-lo. Em torno do acontecimento, que deveria durar apenas dez minutos, mas acabou durando horas, a mídia torna tudo um evento que tende a não acabar bem.

2211. Seven – Os Sete Pecados Capitais (Se7en, 1995)
David Fincher é até hoje o meu diretor preferido, com três obras-primas em sua carreira o diretor é preciso em tudo que faz, mas até hoje desde 1995 nunca alcançou um feito que fez com Seven, David Mills e William Somerset são dois detetives encarregados de prender um assassino em série, que mata suas vítimas usando como tema os sete pecados capitais. Só que eles não esperavam que pudessem estar no centro de seus loucos planos – é tudo insano ao extremo, tudo muito arquitetado – Brad Pitt também nunca esteve melhor em outro filme – perfeito, perfeito – e Kevin Spacey dispensa comentários.

0710. Direito de Amar (A Single Man)
Foram poucos filmes na qual o personagem principal me atingiu em cheio, Colin Firth está sensacional, que em uma única cena (no telefone, na qual ele se choca com a notícia) ele me devastou, tudo isso ao som daquela trilha sonora de outro mundo, dilacerado pela recente morte de seu amante de longa data em um trágico acidente, George Falconer mantém as aparências, ainda visto por outros como um homem no controle. Mas em um dia crucial em 1962, no ensolarado sul da Califórnia onde ele criou raízes, este professor universitário urbano se vê no limite da sua vida. Ele vai descobrir os ecos do passado no presente e vislumbrar versões alternativas do futuro – incluindo a forte possibilidade de nenhum futuro para si mesmo – o filme é um todo, estonteante.

089. Capote (Capote, 2005)
Os mais assiduos em literatura com certeza conhecem Truman Capote, um dos mais famosos escritores de todos os tempos, no distante filme de Bennett Miller (seu melhor filme) ele conta a história do escritor Truman Capote, autor do livro que originou o filme “Bonequinha de Luxo”, fez uma extensa pesquisa sobre um crime que aconteceu nos Estados Unidos em 1959, quando Dick Hickock e Perry Smith mataram uma família de quatro pessoas em uma pequena cidade do Kansas, Capote desenvolveu um estranho laço com os assassinos ao entrevistá-los para escrever In Cold Blood (A Sangue Frio) com certeza esse é um filme que não agrada a maioria, ele é distante e frio – talvez por isso o público não aceite ele com facilidade, mas eu particularmente acho uma obra-prima.

058. A Testemunha (Witsness, 1985)
Para os mais chegados ao clima dos filmes oitentistas esse é uma delicia, não existe segredo, não tem artimanhas e tudo muito simples, o diretor Peter Weir não quis colocar uma trama mirabolante diante da tela, alguns chama o filme de genérico e até concordo, mas isso não tira a força dos filmes policiais do anos oitenta, Pensilvânia, 1984. Um jovem é testemunha de um assassinato e, para sua própria proteção, o investigador do caso decide levá-lo com sua mãe para a comunidade amish onde viviam. Tudo piora quando o investigador descobre que os responsáveis pelo crime são policiais – melhor filme com Harrison Ford.

157. 12 Homens e uma Sentença (12 Angry Men, 1956)
Uma obra-prima sem igual, volto a repetir – se você nunca viu esse filme, se desconsidere um cinéfilo, porque você não é – Sidney Lumet colocou doze atores dentro de uma sala e o resultado foi nessa símbolo do cinema realista, doze jurados devem decidir se um homem é culpado ou não de um assassinato, sob pena de morte, onze têm plena certeza que ele é culpado, enquanto um não acredita em sua inocência, mas também não o acha culpado. Decidido a analisar novamente os fatos do caso, o jurado número 8 não deve enfrentar apenas as dificuldades de interpretação dos fatos para achar a inocência do réu, mas também a má vontade e os rancores dos outros jurados, com vontade de irem embora logo para suas casas.

amadeus6. Amadeus (Amadeus, 1984)
Pensem em um filme completo, pensaram – então, esqueçam e assistam Amadeus, cinebiografia fictícia de um dos maiores gênios da música clássica de todos os tempos. A história é contada através de Salieri, antigo músico da corte real. Toda a sua admiração e inveja por Mozart criam um paradoxal sentimento durante toda a projeção, com um amor em comum entre os dois: a música – genial, genial, genial – a dupla de atores arrasta tudo e todos (a risada de Tom Hulce (Mozart) é a melhor) não consigo falar assim, assistam e analisem essa maravilha que Milos Foram fez.

065. Pecados Íntimos (Little Children, 2006)
Estamos em uma cidade suburbana onde um grupo de jovens casais passa seus dias absolutamente devotado ao sucesso de seus filhos – criados desde crianças para se transformarem em verdadeiros formandos de Harvard, um mundo brilhante de filhos e pais perfeitos… pelo menos durante o dia, à noite, entre quatro paredes, tudo se transforma. E os papais e mamães perfeitos tentam escapar de suas rotinas nada excitantes recorrendo à pornografia na internet ou então a casos extraconjugais, e enquanto estes casais tentam recuperar em segredo a intensidade de seus dias de adolescência, suas vidas começam a se cruzar de maneira surpreendente e muito perigosa – não se iludam com essa simples história, existe muito por trás de tudo isso, mais muito mesmo – a narração em off, logo no inicio do filme – já deixa a entender que muita coisa vai acontecer no decorrer do filme – Kate Winslet em seu melhor momento (e ela esteve em muitos) e Todd Field com sua obra-prima.

014. Magnólia (Magnolia, 1999)
O filme de Paul Thomas Anderson talvez seja a obra mais complexa que eu tenha assistido, e quando digo complexa, quero dizer em termos de compreender o que a humanidade sente, nove histórias de nove diferentes pessoas, aparentemente desconhecidas entre si, acabam cruzando-se em um dia qualquer no vale de San Fernando, na Califórnia – é preciso assistir para compreender.

023. Taxi Driver (Taxi Driver, 1976)
“You talking to me?” – um clássico – Travis Bickle (Robert DeNiro) é um jovem veterano do Vietnã, que volta para as ruas de Nova York trabalhando como motorista de táxi. Conhecendo melhor todos os podres das vielas da cidade, seu caminho se cruza com o das jovens Betsy (Cybill Sheperd) e Iris (Jodie Foster), uma prostituta de apenas 12 anos, o que o faz se revoltar com tudo e com todos, explodindo sua raiva e violência que sempre demonstrou ter, ele planeja um atentado contra um senador e, sozinho, ainda bate de frente com os cafetões de sua mais nova jovem amiga – até hoje o melhor filme de Martin Scorsese, a melhor atuação de Robert DeNiro e um dos melhores filmes de todos os tempos.

052. O Segredo de Brokeback Mountain (Brokeback Mountain, 2005)
Será eternamente o injustiçado do Oscar – ou o filme dos cowboys homossexuais (rotulo ridículo) o filme é muito mais do que isso, qualquer pessoa que tenha um pouco de sensibilidade sabe do que eu estou falando, nos belos campos do interior dos Estados Unidos, Ang Lee apresenta uma história de amor épica sobre dois homens que se encontram no verão de 1963 e logo se veem incrivelmente unidos, mas suas tragédias e complicações trarão provações a seu relacionamento, ao mesmo tempo que lidarão com o preconceito da sociedade.

american-beauty-digital-painting-gabriel-t-toro1. Beleza Americana (American Beauty, 1999)
Sam Mendes e sua obra-prima, Sam Mendes e o melhor filme de todos os tempos, Sam Mendes e o seu filme forte – Kevin Spacey e Annett Benning em seu melhores desempenhos, todo o resto do elenco está soberbo, a trilha sonora de Thomas Newman genial, as mensagens que o filme passa – sem comentários – Lester Burnham é chefe de uma família tradicional americana que, em plena meia-idade, começa a tomar decisões e dar a volta por cima em sua vida. Vivendo uma crise familiar, com sua esposa o traindo e sua filha em rebeldia, Lester demite-se do emprego e aproxima-se da melhor amiga da filha – disparado, o melhor filme de todos os tempos, pra ficar na mente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: