Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

O filme dirigido por Daniel Ribeiro, foi lançado no ano de 2014 e tem como protagonista os jovens Guilherme Lobo, Fabio Audi e Tess Amorim.
O filme tornou-se conhecido desde seu início devido a existência do curta metragem de mesmo tema com o nome “Eu Não Quero Voltar Sozinho” de apenas 15 minutos feito no ano de 2010. O curta teve exibição apenas em festivais de cinema e mídias digitais como no canal do filme no YouTube que você pode conferir no vídeo a baixo.

O curta conta a história de um jovem estudante com deficiência visual que lida todos os dias com conflitos típicos da puberdade: o primeiro beijo e a descoberta da sexualidade. Já no longa metragem houve algumas mudanças, partindo pelo nome do filme que trocou a negação pela afirmação de querer voltar sozinho, demonstrando a primeira vista, um amadurecimento dos personagens (até porque os atores também cresceram durante esses quatros anos de intervalo entre o curta e o longa).

Se você já assistiu o curta e esperava uma continuação avançada da história no longa metragem, não se iluda, a narrativa é a mesma, mas como dito anteriormente com pequenas alterações. Além do título e da maturidade, há a presença dos pais de Leonardo (Guilherme Lobo) ou Léo, como é chamado pela sua melhor amiga GI, Giovana (Tess Amorim) que também estuda e ajuda Leonardo no dia a dia com as atividades escolares. Podemos dizer que mesmo mantendo a mesma narrativa o longa está mais maduro e trata com uma delicadeza estética a história desses três adolescentes.

É interessante ressaltar que o diretor Daniel Ribeiro não define o filme como um filme de temática Gay ou LGBT, categoriza-o como um Romance. Um romance como outro qualquer, delicado e sutil.
Para a galera que não assistiu o curta e nem o longa, a história é bem fechada no dia a dia escolar desses três jovens que lidam com seus conflitos de amizades, desejos, o primeiro beijo, diversidade sexual, deficiência visual e a busca pela independência. Tudo seguia normalmente até a chegada de um novo aluno na turma, Gabriel (Fabio Audi) que é recebido e bem acolhido por Léo e Gi, formando assim um grupo de amigos.
No Longa, Leonardo está sempre discutindo com sua mãe sobre o excesso de proteção e preocupação devido a deficiência visual do filho. Uma questão que o filme também sempre nos lembra é a dificuldade de lidar com a deficiência visual e principalmente o bullying escolar. Leonardo tenta não se importa ou deixar-se abalar pelo bullying provocado pelos colegas de classe, mas o que realmente Leonardo quer provar para a sociedade é que mesmo sendo portador de deficiente visual ele pode ser uma pessoa amada e totalmente independente, principalmente de seus pais, e por isso Léo decide buscar informações sobre a possibilidade de fazer um intercâmbio fora do país.
Leonardo acaba se apaixonando pelo seu amigo Gabriel e não sabe como demostrar isso até receber o primeiro “selinho” do garoto em uma festa. Sua melhor amiga Gi demonstra interesse nos dois meninos, mas quando está com Leonardo sempre o pergunta se o Gabriel comentou algo sobre ela. Durante a narrativa há um acampamento escolar, esse acampamento passa a ser o divisor de águas na trama, onde Léo conta para Gi do seu interesse por Gabriel.

 

O filme é tratado de forma bem delicada, todas as cenas são bem apresentadas e não há momento algum em que se pode dizer que há uma cena para “render” o filme. As diversas premiações nacionais e internacionais que o filme recebeu  se deu pela forma como o diretor Daniel Ribeiro decidiu conduzir a narrativa: sem clichês, sem estereótipos e sendo sutil na construção das cenas, não deixando explícito o que acontece, como na cena que envolvia um dos personagens se masturbando.

Sendo um filme romântico, nada melhor que contar essa história com movimentos suaves de câmera, planos simples e o uso de desfoque para enfatizar a questão da visão. A trilha sonora do longa é muito delicada e linda, mas para quem gostava do som de “Janta – Marcelo Camelo” que havia no curta, aqui ela só aparece em uma cena e cantada pelos figurantes durante durante um luau no acampamento, o que deveria ter sido apresentado ou cantado pelo trio como em um cena em que a Leonardo está deitado no colo da Gi e os dois cantam juntos a canção no curta.
Hoje Eu Quero Voltar Sozinho pode ser visto por todos, seja lá qual for a sua idade, ou que grupo pertence, tribo,  etc..

 

Algumas das curiosidades do filme:
Durante as gravações do longa o filme chegou a ser intitulado de “Todas As Coisas Mais Simples”, mas foi alterado por não ter muito sentido com a história e pela repercussão dos fãs nas redes sociais com o curta.
O protagonista Fabio Audi é estudante de cinema na USP e diferente da história do filme, é ele quem gosta de música clássica.
O Ator Guilherme Lobo além de ator é bailarino e DJ.

 

O filme já passou por diversos países como: França, México, EUA, Alemanha, Japão, Inglaterra, Espanha e por aí vai.

 

Para evitar a pirataria a produção decidiu vender de forma online um DVD mais simples com capa. E também disponibilizou em lojas online para Download. Para os fãs há o Blu-Ray  e Dvd com extras especiais sobre o filme.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: