Swinging Pool

[Cleber Eldridge]

E aí cinéfilos, como estamos? Eu espero que todos na paz – vamos viajar então para o a Europa, mais precisamente para o Reino Unido, aquela terra de reis e rainhas, de pessoas ricas tanto financeiramente quanto culturalmente. O cinema britânico sempre competiu com as produções americanas, o mesmo sobreviveu à sombra do seu rival – contudo, eu particularmente tenho um apreço gigantesco pelo primeiro, eles que criam filmes de sabor tipicamente inglês e sempre exploram diretores e astros talentosos.

Londres sempre foi uma das capitais mais lindas do mundo, uma das mais chiques, uma das mais desejadas, e lá diretores estrageiros filmes suas maiores obras, Michelangelo Antonioni (Blow-Up – Depois Daquele Beijo), Roman Polanski (Repulsa ao Sexo), François Truffaut (Fahrenheit 451), e claro o mestre Stanley Kubrick, não por menos os americanos também foram a Londres Richard Lester (Os Reis do Iê Iê Iê), Josey Losey (Estranho Acidente) – para quem como eu ama o cinema dos anos setenta e tem muita informação sobre o mesmo, sabe que o cinema britânico decaiu um pouco na década e voltou a se recuperar lá nos anos oitenta -, mas não se iluda por causa dos dois filmes vencedores do Oscar de melhor filme Carruagens de Fogo, de Hugh Hudson (que eu definitivamente não acho lá essas coisas) e Gandhi, de Richard Attenbourugh (que acho muito superestimado) – dentre outros lá estavam Peter Greenway (O Contrato do Desenhista), Terry Gilliam (Brazil) – lá nos anos noventa o cinema britânico estava chegando ao sucesso das bilheterias, a maior dos anos 90 foi de Mike Newell (Quatro Casamentos e um Funeral) uma deliciosa comédia (se não viu ainda, faça logo, por favor) e claro a obra-prima máxima de Danny Boyle (Trainspotting), Peter Cattaneo (Ou Tudo ou Nada) e Guy Ritchie (Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes) que gerou uma série de imitações inferiores, no inicio dos anos 2000 Stephen Daldry (Billy Elliot) se revelou – não preciso nem comentar do meu querido Ken Loach (Sweet Sixteen) que fez a festa durante toda a carreira lá no Reino Unido. Os estrangeiros sempre adoraram Londres ou qualquer outro canto do Reino Unido, e nós só agradecemos por paisagens e quase sempre uma história maravilhosa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: