MOTORRAD(2017) “ATÉ QUE É UM MAD MAX NACIONAL AGRADÁVEL”

Por Vinicius Montano

Dirigido pelo brasileiro Vicente Amorim de ‘O Caminho das Nuvens’ na qual eu assisti recentemente por causa desse filme nacional aqui que vai estrear essa semana nos cinemas e eu vou comentar a respeito. ‘Motorrad’, uma trama de ação com toques de terror e suspense. No elenco temos Guilherme Prates, Carla Salle, Emilio Dantas, Juliana Lohmann, Pablo Sanábio, Rodrigo Vidigal, Alex Nader.

Na história, um dos grandes desejos de Hugo (Guilherme Prates) é conseguir fazer parte do grupo de motocross do seu irmão mais velho. Decidido, ele rouba algumas peças para que possa montar sua motocicleta. Quando consegue o feito, ele encontra com a turma do irmão em uma cachoeira remota, onde fazem uma trilha e se deparam com um antigo muro. Hugo sugere que eles desmontem o muro e sigam a aventura, mas acabam encontrando a dona do ferro-velho de onde Hugo roubou as peças. Ela os convida para um caminho ainda mais radical, só que a diversão vira uma corrida pela sobrevivência quando eles passam a ser perseguidos por motoqueiros sádicos e sobrenaturais.

@Divulgação Warner Bros

 

A trama nos faz lembrar de Mad Max, clássico americano entre os anos 70 e 80 que tem uma fotografia escura para mostrar o tom sombrio, motoqueiros e o figurino todo de couro e pesado, mas o roteiro é tão sem sal, nos 15 primeiros minutos dá tédio, mas depois a trama começa a engrenar, tem algumas explicações ausentes da trama, mas com uma trilha sonora heavy metal e um suspense simples pra quem gosta de filmes de moto.

 

@Divulgação Warner Bros

Os personagens não me fazem memoráveis, ambos descartáveis. Guilherme Prates como o protagonista principal numa atuação péssima e cansada. Carla Salle como a filha do dono do ferro velho numa atuação importante para a trama e até convence. Já Juliana Lohmann tem alguns momentos bons e ruins na trama que no elenco temos Pablo Sanábio, Rodrigo Vidigal, Alex Nader e Jayme Del Cueto.

Motorrad é até um passatempo agradável para os fãs de motocross, filmes de suspense, mas não é lá aquelas coisas não. Tem certos momentos de tensão nada surpreendentes mas num filme com um combustível médio.  E um filme nacional independente qualquer que não seja mais uma pipoca descartável da Globo Filmes.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: