ME CHAME PELO SEU NOME: “MOSTRA A IMPORTÂNCIA DE VIVER CADA MOMENTO INTENSAMENTE”

Por Eduardo Tavares

“O usurpador, ele chegou!”, essas foram as primeiras palavras do personagem Élio, que  acabada de ser usurpado de seu posto de Deus Sol naquela casa de verão, no norte da Itália. Isso porque o estudante americano de cabelos dourados, Oliver, acabara de chegar para uma temporada de estudos com o pai do garoto. Toda a atenção voltada para o filho único de um casal de intelectuais, seria transferida para o recém chegado.

De início ele fica visivelmente incomodado com Óliver, chegando a dizer  que ele é arrogante numa conversa a mesa. Todos os seus amigos ficam encantados com o loiro, seu pai passa grande parte do tempo com ele e Élio cede parte de seu quarto para ele se hospedar. Com tantas coisas sendo tomadas dele, não é difícil entender o motivo de toda a implicância com o estrangeiro.

@Divulgação Sony Pictures

A medida que eles vão se conhecendo melhor, Élio desenvolve uma paixão por Óliver, o que é muito bem demonstrado através da incrível interpretação de Timothee Chalamet. Embora a interpretação de  Armie Hammer, Oliver, esteja satisfatória, a interpretação do novato impressionou a maioria dos espectadores, tornando o jovem ator um forte concorrente ao Oscar.

A direção de Guadagnino soube captar muito bem os conflitos do jovem em sua descoberta pela homossexualidade e trabalha a história com delicadeza e muito sensualidade. O diretor parece explorar bem a conexão da arquitetura com os personagens, que coabitam a casa, em especial, os  protagonistas. O melhor exemplo disso é a maneira como é mostrada a ligação dos  protagonistas através do quarto, que é ligado por um banheiro, dividido pelos dois. Isso cria uma sensação de  voyerismo, quando, por exemplo, um expia o outro em situações íntimas, o que cria tensão.

@Divulgação Sony Pictures

As paisagens pitorescas dão um ar romântico ao filme e a natureza está presente a todo tempo. A casa onde o filme é ambientado possui um grande jardim com pomar e os outros ambientes filmados são repletos de elementos naturais como: rios, lagos, florestas. A trilha sonora, em muitos momentos é embalada por uma música ao piano. Em um dos momentos do filme, Timothée demonstra as habilidades adquiridas especialmente para viver o jovem Elio, ao tocar uma melodia para Oliver. Além de aprender piano, o ator aprendeu francês para o papel.

A ambientação do filme no início da década de oitenta é perceptível na indumentária dos personagens e também na trilha sonora, em especial no início do filme, quando há uma típica festa daquela época. Mas ao decorrer do filme o que mais se destaca musicalmente são as performances no piano por Élio, e a música tema, também em piano, que aparece em alguns momentos de romance do casal.

@Divulgação Sony Pictures

Assim como Élio vai aos poucos se apaixonando por Oliver, o espectador vendo na perspectiva do personagem, compartilha dos mesmo sentimentos dele, criando grande empatia e expectativa. Isso torna a experiência de ver o filme ainda mais emocionante, mesmo que possa remeter a sentimentos melancólicos. No final, um importante monólogo feito pelo pai do protagonista sintetiza a mensagem que o filme quer passar. Em uma das cenas mais emocionantes, aprendemos o valor de viver cada momento, pois apreciar a vida nos torna humanos. Não devemos nos privar de sentir.

“Call me by your name” ou “Me chame pelo seu nome” foi um filme com baixo orçamento, mas com um ótimo time de atores. Isso parece uma grande estratégia de filmes de  artes desse ano, que caminham no sentido contrário aos blockbusters. Da mesma forma, o suspense “Mãe” fez grande sucesso nos festivais ao trazer uma grande história com um único ambiente e um ótimo time de atores. O roteiro foi adaptado de um livro com o mesmo nome e tem brasileiros na produção do longa. Ele estréia nessa quinta feira dia 18 de janeiro nos melhores cinemas do Brasil.

 ————————————————————————————————————————————

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: