LADY BIRD – A HORA DE VOAR “NOVA ABORDAGEM DE UM TEMA QUE ESTAVA PRATICAMENTE BATIDO”

Por Geofry Hanney

 

Dirigido e escrito por Greta Gerwig, Lady Bird até certo momento foi o filme mais bem avaliado pelo Rotten Tomatoes em 2017 e faz de Greta a 5º mulher indicada ao Oscar de Melhor direção em toda a história. O longa é semiautobiográfico e se passa em sacramento, de onde veio a própria diretora, que incorporando alguns clichês com uma representação “indie “, torna Lady Bird um dos filmes mais sinceros ao retratar os dramas de uma adolescente que quer entrar para a faculdade, mas que se vê em meio a sua família problemática.  

  O filme vai bem direto ao ponto quando ele tenta desvendar as motivações da protagonista, que não é nenhum gênio da matemática, atleta com grandes aspirações ou popular na escola. Vemos aqui uma adolescente comum tentando achar o seu lugar no mundo. A protagonista é interpretada por uma das jovens atrizes que já saiu do conceito “promissora” desde os seus últimos e excelentes trabalhos ao longo da carreira. Saoirse Ronan já foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Atonement (2007) e de Melhor Atriz por Brooklyn (2015).

@Lady Bird A Hora de Voar/ Divulgação Universal Pictures

  O longa está indicado em cinco categorias do Oscar 2018, embora tenha perdido a força e seja considerado favorito apenas em roteiro original junto com Corra! e Três Anúncios Para um Crime. Entretanto, não é atoa que tenha sido tão bem avaliado pelo Rotten, muito se dá pelo conjunto das interpretações. Em torno da Saoirse Ronan temos a Laurie Metcalf, talvez mais conhecida por interpretar a mãe do Sheldon Cooper em Big Bang Theory. Esse sem dúvidas, se torna o melhor papel de sua carreira ao interpretar uma mãe com personalidade levemente histérica, totalmente diferente da filha e que se vê preocupada com o seu futuro. Outro que está formidável é o Tracy Letts, fazendo um pai mais encorajador e otimista do que a mãe da protagonista.

 No entanto, não chega a ser um filme perfeito. Os clichês adolescentes estão mais realçados em meio a uma direção simples e por seguir uma história semi autobiográfica, mas devido a força das interpretações se torna muito cativante ao público que assiste. Quem assistir, com certeza irá se identificar, talvez pela sua grande virtude de não se remeter apenas a grande massa americana, que é algo mais recorrente nesse tipo de filme. Lady Bird é um filme com uma história simples, mas que decorre com grande fluidez e está suficiente forte para Três Anúncios Para um Crime e A Forma da Água abrirem os olhos no Oscar.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: