‘KIN(2018)’ – CADÊ A HISTÓRIA DESSE FILME?

Por: Vinicius Montano

Dos mesmos produtores de ‘A Chegada’, filme indicado a 7 Oscars 2017 e vencedor de 1 para edição de som, e da série de maior sucesso do Netflix ‘Stranger Things’, chega aos cinemas o thriller de ficção científica ‘Kin’, dirigido pelos irmãos Jonathan e Josh Baker que dirigiram um curta baseado no filme ‘Bag-Man’ em 2014 ganhando a premiação em 2015 no SXSY Jury Award de melhor curta a meia-noite. No elenco temos Jack Reynor, Zoe Kravitz, James Franco, Dennis Quaid, Carrie Coon e apresentando Myles Truitt.

A trama se passa quando um ex-condenado e seu irmão mais novo são forçados a fugir de um vingativo criminoso, federais e uma série de soldados de outro mundo. A única proteção que eles possuem é uma arma de antecedência misteriosa. Enquanto coisas estranhas acontecem com os irmãos, uma agente do FBI (Carrie Coon) é chamada para investigar o caso.

@ Paris Filmes

Quando você vai assistir a esse filme a gente pensa que só no cartaz diz assim os mesmos produtores de A Chegada e Stranger Things vai achar que o filme seria fantástico. Você está completamente enganado. A trama desse filme é vazia, o roteiro desse filme é todo raso e vergonhoso cujo seu ritmo não leva a nada, cenas com excesso de artificialidade, os efeitos parece chamar a atenção quem gosta de ver clipes de música eletrônica e a fotografia é até razoavelmente ok.

Os personagens não tem nenhuma profundidade na história. Jack Reynor como o irmão ex-condenado num papel tosco e canastrão. Já Myles Truitt como o irmão adotivo, tinha tudo para ser o personagem mirim mais importante da trama, mas não tem nenhuma logica e química entre relação dificil familiar entre irmãos. Zoe Kravitz como a dançarina do bar e uma importante aliada na fuga dos irmãos está totalmente deslocada na trama. Já Dennis Quaid como o pai linha dura dos irmãos tem uma mensagem pequena importante que não vem a cativar, mas é totalmente deixado de lado na trama. E James Franco como o traficante, tem uma caracterização parecida com a de um personagem de Spring Breakers na qual contracenou, num papel caricato e desconexo. Já Carrie Coon que teve destaque recentemente em ‘Vingadores: Guerra Infinita’ como Proxima Midnight, membro da Ordem Negra de Thanos num papel muito desperdiçado na trama.

@Paris Filmes

Podemos perguntar então, cadê a história desse filme? Pois justamente em ‘Kin’ vemos um filme vergonhoso produzido por Shawn Levy, diretor que gosto muito de seus filmes como a trilogia ‘Uma Noite no Museu’, ‘Uma Noite Fora de Série’ e ‘Gigantes de Aço’, que falta de tudo nesse filme, roteiro, história e atuações, tudo é morno e vazio, com um final patético. Uma grande perda de tempo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: