“DOLORES” DIVULGA CARTAZ NACIONAL

Longa dirigido por Juan Dickinson estreia em 30 de março nos cinemas.

SINOPSE:

DOLORES conta a história de uma mulher de descendência escocesa que retorna à Argentina depois da morte de sua irmã para cuidar de seu sobrinho
de oito anos, mas atraída também pelo amor platônico de seu cunhado Jack. Este amor se desenrola no contexto da Segunda Guerra Mundial, onde os ecos da guerra ficam cada vez mais próximos e a disputa global entre alemães e ingleses começa a se tornar pessoal, quando o descendente de alemães Octavio Brandt passa a seduzir Dolores que, longe de ser o inimigo, torna-se um amor inesperado para ela, que precisa decidir entre dois amores.

SOBRE O FILME

“Dolores”, longa-metragem de época com coprodução Brasil/Argentina é dirigido pelo argentino Juan Eduardo Dickinson e tem no elenco principal os atores brasileiros Roberto Birindelli e Jandir Ferrari e os atores argentinos Emilia Attias, Guillermo Pfening e Mara Bestelli. A coprodução foi realizada entre a produtora brasileira Angelisa Stein, da empresa Valkyria Filmes e pela produtora argentina Dar A Luz Cine, de Fernando Musa. O longa participou da Première Latina no Festival do Rio de 2016.

As filmagens aconteceram entre janeiro e fevereiro de 2016. Para ambientar o filme nos anos 40, elegeu-se uma fazenda na grande Buenos Aires, em Lujan, que guarda os ares da época deste período. Também foram utilizados recursos de computação gráfica, direção de arte, tendo o figurino criado para “Dolores”, sido desenvolvido por Pepe Uria, ganhador do prêmio da Associação de Críticos Argentinos pelo seu figurino para o filme Amapola em 2015. Para a personagem principal Dolores, interpretada pela atriz Emillia Attias, Uria desenvolveu 20 figurinos para as cenas da área rural e da cidade, todas roupas inspiradas em filmes dos anos 40.

CARTAZ:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SOBRE O DIRETOR – JUAN EDUARDO DICKINSON

Graduado em cinema pela AFI (American Film Institute), é diretor dos longas argentinos “Destino Anunciado”, “Um Dia na Constituição”, “Era uma vez um trem”, “A partir de Átomos”, além do longa britânico “Quebrando o Ciclo”. Por sua série documental “El Diablo de Cumaná, Pintor Campesino e El Rey del Bandolín”, foi agraciado com mais de 20 prêmios em concursos municipais e nacionais da Venezuela, entre eles: Melhor Série, Melhor Direção, Melhor Filme e Melhor Documentário. Premiado ainda no Festival do Réel do Centro Pompidou de Paris e Menção Honrosa no Festival de Leipzig.

NOTA DO DIRETOR

O filme se passa num período em que o peronismo estava se formando. Ele reflete essas comunidades de imigrantes que ainda estavam relacionadas ao seu local de origem, que neste caso é a Europa, os personagens centrais são Octávio imigrante alemão e Jack que tem origem britânica. Quando a guerra acontece, essas comunidades estavam ligadas ao seu país de origem, porque na Argentina a história moderna não havia começado.

Distribuição – TUCUMÁN/FÊNIX FILMES

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: