CRÍTICA: VELOZES E FURIOSOS 8 (2017)

Por Vinicius Montano

Revisador da Crítica: Andre Leporati

 

‘Velozes e Furiosos 8 se acerta num reinício decente e maduro’

Quando ‘Velozes e Furiosos’ foi lançado em 2001, o filme só envolveu o tema corrida de carros e brigas de gangue. Depois foram lançados dois derivados da franquia que não foram muito bem sucedidos sem a presença de Vin Diesel e Paul Walker que eram a peça chave de todo o primeiro filme. Anos depois voltaram a se reunir rendendo diversas sequências até o trágico acidente em 2013 que matou Paul Walker. Inclusive, o sétimo longa teve que recriar cenas do ator em versão computadorizada chamando os dois irmãos dele para serem dublês. Nisso a franquia não parou por aí, como diz o ditado: vida que segue; Eis ‘Velozes e Furiosos 8’, trazendo Vin Diesel no papel principal, ele terá que enfrentar um conflito interno contra a sua família.

Depois que Brian (Paul Walker) e Mia (Jordana Brewster) se aposentaram, e o resto da equipe foi exonerado, Dom (Vin Diesel) e Letty (Michelle Rodriguez) estão em lua de mel e levam uma vida pacata e completamente normal. Mas a adrenalina do passado acaba voltando com tudo quando uma mulher misteriosa (Charlize Theron) faz com que Dom retorne ao mundo do crime e da velocidade.

Charlize Theron como Cipher / Foto:© Universal Pictures International Switzerland. All Rights Reserved.

Nesse oitavo filme, a direção fica nas mãos de F. Gary Gray(‘Straight Outta Compton’); É boa e ousada em suas cenas de perseguição, trazendo o objetivo de mostrar cenas de perseguições e de assaltos exageradas para comer pipoca, algumas delas surreais e sem sentido. O roteiro começa com a cena estereotipada do início do sexto filme num lugar paradisíaco com praias e mar a céu aberto e tem muitos absurdos sem nenhum sentido, mas a edição mostra um tom de suspense sério, que nos faz torcer para o Dom virar contra o feiticeiro para derrotar Cipher (Charlize Theron).

No elenco temos o Vin Diesel canastrão e seu conflito com sua família mostrando que Velozes e Furiosos pode trazer um suspense de mexer com os nervos. Charlize Theron como a vilã Cipher se apresenta num tom bastante explosivo e com muita frieza. Dwayne Johnson dessa vez abre parte do espaço como protagonista e Jason Stathan, assim como Deckard Shaw – vilão anterior do filme – resolve dar uma ajudinha à família Velozes. Scott Eastwood é uma adição nova e interessante para a franquia, com suas piadinhas sobre adolescência. Finalmente temos uma participação de Helen Mirren pequena, mas reserva uma chave para novas sequências.

Jason Stathan e Dwayne Johnson / © Universal Pictures International Switzerland. All Rights Reserved.

Com efeitos especiais um pouco melhores que o último, cenas bizarras e sem sentido dos carros que andam sozinhos tal qual uma pandemia zumbi, Velozes e Furiosos 8 se acerta num reinício decente e maduro mas entrega mais do mesmo e apela para uma diversão pura e tons de suspense pesado para descobrir surpresas no arco da trama.
_______________________________________________________________________

Autor do Texto:

VINICIUS MONTANO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: