CRÍTICA: THE BEATLES: EIGHT DAYS A WEEK

Por: Rafael Mayrink

Quando pensamos em documentários, filmes ou qualquer coisa sobre os Beatles imaginamos que já vimos de tudo dos quatros garotos de Liverpool. Mas Ron Howard conseguiu transforma esta experiência em uma novidade. Em The Beatles: Eight Days a Week, o diretor consegue mostrar mais do que conhecíamos  e isso faz deste longa uma satisfação audiovisual.

O que mais chama atenção neste documentário é o fato do diretor ter em mãos arquivos nunca apresentados ao público, fotos e vídeos inéditos, além de possuir ótimos momentos íntimos do quarteto, tomamos conhecimento um pouco mais sobre cada um e principalmente sobre as dificuldades e os desafios de serem um fenômeno mundial como foram sua carreira. Outro ponto alto são as entrevistas de artistas e fãs da banda, entre elas estão as atrizes Sigourney Weaver e Whoopi Goldberg e conseguindo ser vivenciar um dos mais importantes momentos da música.

O documentário deixa claro porque até hoje a Banda é umas das mais queridas e suas músicas ainda estão no gosto do público. É um tipo de filme feito para todos, aquelas pessoas apaixonadas pelo grupo como também para quem não têm muito conhecimento sobre a história dos Beatles.

The Beatles: Eight Days a Week não decipciona e transporta o seu público para uma época que não volta mais. Fazendo destas 178 minutos uma forma de ver a música e arte em seu melhor momento.

—————————————————————————————————————————————–

Rafael Mayrink

Nota 9,5

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: