Crítica: O Amor é Estranho (2014)

Por Alysson Melo

 

O longa mostra a vida do Casal Ben (John Lithgow) e George (Alfred Molina), eles formam um casal já há quatro décadas, vivendo a vida e o cotidiano da melhor forma, mas quando ambos finalmente decidem se casar, o casamento é aprovada por amigos e familiares, mas acaba levando George a perder o seu emprego. Então eles ficam em dificuldades sem dinheiro, os dois são obrigados a viver separadamente até conseguirem vender a casa e comprar outra mais barata. A nova vida em lares provisórios torna-se bastante desgastante para o casal e para os amigos envolvidos.

O diretor Ira Sachs após nos trazer o drama pesado e delicado que foi (Deixe a Luz Acesa), aqui ele traz um filme delicado, humano, romântico e com muita sensibilidade, onde o mesmo soube usar de diversos artifícios como bons ambientes, boas tomadas e continuidade da trama e o uso do drama no ponto certo, sem soar piegas demais.

love-is-strange-movie-molina-lithgow-2

Os dramas aqui mostrados no enredo se mostram tão reais e sem estereótipos que não tem como não se encantar pelos personagens, eles são muito cativantes, a história em si já tem um lado bem difícil que é sobre não poder viver junto no mesmo teto com a pessoa amada e sendo gay, e o roteiro ainda nos mostra como pode repercutir sobre a inflação imobiliária.

Com excelentes atuações de Alfred Molina e John Lithgow que dão vida a personagens tão carismáticos, transpareceram na tela que o amor deles era real e de verdade, que isso acontecer é um pouco difícil em filmes com essa temática, além de possuir uma excelente fotografia e trilha sonora.

A grande lição aqui é que você deve amar alguém da melhor forma que você puder, porque quando é verdadeiro não há problema que não possa ser resolvido, o filme fala muito sobre aceitação e ser quem você é, independente do que as pessoas possam achar, mostra um amor humano e incondicional.

Certamente o melhor filme que assisti em 2015 até agora, me comoveu e vai comover você. Assistam se puder hoje mesmo, a sessão vale a pena.

ALYSSON MELO
ALYSSON MELO

 

Nota: 10/10

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: