CRÍTICA: KONG: A ILHA DA CAVEIRA(2017)

Agora a Warner Bros e Legendary Pictures resolveu fazer uma leva de filmes misturando Godzilla e King Kong já que um embate entre eles está confirmado para 2019, agora veremos ‘Kong: A Ilha da Caveira’ o rei da selva gigante que não tem nada a ver com a produção obra prima que foi a de 2005, mas envolve spaghetti e farofa para se divertir em si.

‘Kong: A Ilha da Caveira‘ recria a origem do mítico Kong numa aventura original emocionante dirigida por Jordan Vogt-Roberts. No filme, um eclético time de exploradores se aventura nas profundezas de uma desconhecida ilha do Pacífico, a Ilha da Caveira – tão bela quanto traiçoeira – sem saber que estão invadindo os domínios dos reis dos símios, o mítico Kong.

O filme tem uma pauta inicial de notícias marcantes da história, coisas que vimos no início de Godzilla em 2014, um roteiro alinhado em proporções monstruosas e gigantescas, cenas de ação fantásticas e bem produzidas, um fantástico jogo de câmeras entre os helicopteros militares voando na ilha da Caveira e as pupilas do Kong em tom de bravura.

No elenco temos um trio de personagens marcantes da Marvel Studios. Tom Hiddleston o loki da franquia Thor empresta seu papel como um mercenário que aceita participar da exploração por grana num papel modesto. Brie Larson já confirmado como a futura heroína Capitã Marvel como uma fotografa num papel em que a quimica entre os dois em cena diverte com bons alivios cômicos. Já Samuel L. Jackson como o tenente Nick Fury de todo o universo cinematográfico com um militar com um papel inútil pra aparecer muito e John Goodman como o cientista da expedição num papel apenas ok. E John C. Reilly como o tenente que ficou perdido na ilha por muitos anos num ar metáfórico e plots cômicos rouba muito a cena.

Com uma edição alinhada com cenas de tirar o fôlego principalmente lutas de monstros contra humanos, ritmo que você quer ficar até a expedição acabar, efeitos especiais fantásticos e trilha sonora com um tom de ar nostálgico dos anos 70 e 80, Kong: A Ilha da Caveira é diversão na medida certa, muito bem produzido apesar de umas cenas inúteis. Não é um filme esquecível, mas que abre a chave com vontade de esperar o duelo entre o Kong e o Godzilla em 2019.

 

 Nota: 8/10

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: