Crítica: Joy: O Nome do Sucesso (2016)

Por Rafael Yagami

 

No princípio, não é um filme que chama a atenção pela trama, algo que para muitos pode ser simples ou desinteressaste, se torna atrativo pelo elenco e direção com certeza. O filme acompanha a história real de Joy Morgano, divorciada e com dois filhos se vê responsável pelo sustento e alimentação de toda a sua grande família, com um orçamento apertado, muitas dividas e uma casa velha, Joy que sempre foi uma sonhadora acaba tendo uma ideia que iria mudar sua vida para sempre, como uma conhecedora do lar e suas dificuldades, ela desenvolve um tipo de esfregão que torce sozinho sem a necessidade de tocar na parte onde fica toda a sujeira, parece complicado, mas não é.
01-jennifer-lawrence-as-joy
Escrito e dirigido por David O. Russel, responsável por grandes filmes como “O Lado Bom da Vida” e “Trapaça”, mostra aqui que não perdeu o jeito, domina a direção de uma forma sutil sem muitos detalhes, dando total destaque para a protagonista e seu produto, isso se mostra um problema porque praticamente nenhum coadjuvante é trabalhado de forma profunda aqui. Outro problema é o roteiro, um tanto bagunçado, mesclando no drama porém afirma ser uma comédia, a narração emprega um tom um tanto brega ao resultado final.

Jennifer Lawrence está perfeita no papel principal, rodeada de polêmicas desde a escolha do elenco, pois muitos afirmavam que é jovem demais para representar uma personagem cheia de camadas, porém tudo isso se prova perseguição contra a atriz. Como Joy, Lawrence que já é dona do Oscar de melhor atriz pelo “O Lado Bom da Vida”, conseguiu sua quarta indicação, sendo a atriz mais jovem da história a conseguir tal feito, e conseguiu por mérito próprio, mesclando várias camadas de humor e personalidade, um de seus melhores papeis até agora.

No elenco ainda temos nomes como Robert De Niro e Bradley Cooper, destaque para Dascha Polanco conhecida por seu papel na série original Netflix “Orange is the new black”, faz aqui o papel da amiga que está sempre disposta a ajudar, uma amizade muito verdadeira que o público sente, uma cena em especial onde Joy perde totalmente o controle da situação é a amiga que a salva e mostra a força que existe dentro de si, uma das melhores cenas da produção.

 

joy_film_still-xlarge
Concluindo, Joy: O Nome do Sucesso, se mostra um filme divertido e empolgante, a saga da heroína em nenhum momento é insossa ou entediante, Jennifer Lawrence em sua melhor forma e um elenco de apoio competente, nos mostram uma história que na teoria é bobinha porém na pratica é inspiradora, uma mulher que faz de tudo para sustentar sua família de uma forma correta e algo em que devemos nos inspirar.
RAFAEL SOUZA DOMINGOS
RAFAEL SOUZA DOMINGOS

Nota: 9/10

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: