CRÍTICA: INTERNET – O FILME (2017)

Por Rafael Yagami

A febre dos youtubers esta em alta e rendendo números surpreendentes na internet, tudo isso graças a uma linguagem mais despojada e sobre qualquer tema que você imaginar. Usando mais o humor, a produção é divida em mini arcos que alguns se ligam, com temas dos mais variados tipos de personalidades online, desde os falsos bacanas, os que fazem tudo por audiência, os que criticam tudo e etc.

Filippo Capuzzi Lapietra assume a direção do projeto, aqui em seu primeiro longa metragem, o que mais surpreende na produção é a qualidade do seu trabalho, trazendo muita personalidade e mostrando entender muito bem a linguagem da internet e ao passar a mesma para o cinema o diretor se mostra muito competente, desde o uso da febre da internet que são os “memes” e até tiradas e edições comuns na internet, é um estilo que para quem esta acostumado acompanhar vai se sentir em casa, porém para quem está aqui pela primeira vez pode ser uma experiência estranha.

Rafinhas Bastos, uma das personalidades nacionais mais polemicas dos últimos anos, já trabalhou na TV e internet, considerado hoje como um cara das antigas assume aqui o roteiro, e logo temos o grande e maior problema da produção que é a inconsistência do texto. Fica clara a vangloriação da sua própria imagem, onde seu arco é o que tem mais tempo e espaço em tela, porém é um dos menos engraçados da trama. Gusta no papel de Uesley tem o melhor arco, honesto e hilário ao mesmo tempo mostrando o desespero em manter seu publico em meio às polêmicas.

No elenco também temos problemas, porque nem todos tem a competência dramática necessária para um projeto desse porte, mas dentre os que se destacam positivamente: Gusta Stockler, Felipe Castanhari, Teddy, Thaynara OG e Rafael Cellbit. As participações especiais também são boas contando com personalidades como o Raul Gil, Palmirinha e o excelente em cena MC Catra (Sim, é isso mesmo).

Na parte negativa temos o próprio Rafinha Bastos, personagem fraco e desinteressante, Paulinho Serra tem o famoso personagem ame ou odeie, um humor bem apelativo e cheio de estereótipos. Gabi Lopes tem uma personagem que passa por várias mudanças, mas seu desempenho é bem forçado e difícil de convencer alguém com diálogos memorizados roboticamente.

Internet – O Filme tem tudo para ser um grande sucesso entre seu público alvo, cheio de tiradas cômicas, participações que levaram a loucura quem conhece esse universo e é muito bem dirigido levando em conta comédias nacionais, tem marca de diretor e peso. Muito fechado para o publico geral, mas quem estiver disposto a uma comedia sobre a vida na internet pode tirar boas risadas apesar de tudo.


RAFAEL YAGAMI

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: