Crítica: Estranhos no Paraíso (1984)

Por Cleber Eldridge.

Welcome to Florida, o segundo filme de Jarmusch é algo do tipo: estou aprendendo, seus longas revelam várias culturas (coisa que estarei expondo ao longo da filmografia do diretor) e que se cruzam das mais variadas formas, não só se cruzam como também interagem, sem pensar nas fronteiras, elas são diminuídas com as características que nos mesmos conhecemos, esse ‘experimento’ de Jarmusch é no minimo maravilhoso e ao mesmo tempo estranho, ele que se tornou um impressionante (ou nem tanto assim) diretor independente.

O enrendo não tem nada demais, mas ele é tudo menos descuidado, Willie é um vagabundo qualquer que é surpreendido com a visita de uma prima Húngara, ela fica confinada no apartamento do vagabundo até que resolve se mudar para a cidade de Cleveland e passa a morar com sua tia, mais tarde Willie e seu melhor amigo Eddie também se mudam para a cidade, mas não por muito tempo, já que os três seguem rumo a Flórida, em uma tentativa derradeira de diminuir o tédio.

O filme funciona mais como uma paródia ao sonho americano, como a personagem da prima diz: “a grama é sempre mais verde”, se referindo a grama dos americanos, que quer queira ou não, pode ser um país tedioso como qualquer outro. A prima, única realmente disposta a fazer qualquer coisa a respeito de sua sensação de opressão. Os três amigos saem da grande cidade, mas consigo levam a sensação de monotonia de Ohio e Flórida, sugando a vida onde quer que eles estejam, deixando-os tediosos sempre e em qualquer lugar.
http://i47.fastpic.ru/big/2012/1110/8b/
Quem conhece o diretor, sabe que seus filmes tem um tom meio claustrofóbico, a câmera quase sempre parada para captar conversas, essa que tenta e consegue mostrar que ninguém realmente é amigo de ninguém, já que estão todos no mesmo barco, na mesma situação, ainda assim eles fazem o melhor possível para manter o companheirismo. Enfim, a América de Jarmusch é um purgatório cultural interminável, ambicioso e o melhor que parece que ele nunca quer ir embora, simples, curto e singelo.

Nota: 8/10

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: