CRÍTICA: A MORTE DO DEMÔNIO (2013)

Por Renato Alves

Se torna engraçado por um lado comentar o quanto se transformou a Ghost House, produtora de terror do diretor Sam Raimi. Considerado um dos mestres do terror e principalmente pelo seu estilo único na direção teve poucos produtos que realmente fizeram a diferença dentro do gênero. Mesmo alguns considerando Arrasta-Me Para o Inferno, do próprio diretor,  um dos melhores filmes de terror da década passada (apesar da discordância visível). Entretanto, o melhor produto da Ghost House está em uma releitura mas com sangue latino: Evil Dead – A Morte do Demônio do diretor Fede Alvarez.

Antes de comentar diretamente ao projeto como deve ser, uma pequena e curta história. Em 2009, o uruguaio Fede Alvarez dirigiu um curta pôs apocalíptico chamado Ataque de Pânico. O curta é bem simples: Montevideo sendo atacado por robôs gigantes causando a destruição da cidade. Mesmo com pouca grana, o diretor fez um trabalho espetacular. Isso chamou a atenção de muita gente em Hollywood e um deles foi Sam Raimi. Após isso, foi assinado um contrato para dirigir um filme para a Ghost House. O que surpreendeu foi que poucos esperavam que seria uma releitura de Evil Dead.

bigEvilDead

Antes de xingar, é necessário deixar claro que Evil Dead de Alvarez não é uma sequência e nem um cópia e cola na cara de pau o filme original. Ele segue os passos de um interessante remake da década passada, Assalto ao 13 Distrito, que se foca mais em ter apenas a base do original e por cima dele, trabalhar um novo conceito ou diretrizes que transformam esse tipo de obra, algo para se contar para as novas gerações.

A premissa é simples: alguns jovens vão para uma cabana bem remota para ajudar a jovem Mia a se livrar do vício das drogas. Sendo que um deles em uma atitude clássica do gênero (é impossível dizer estupido por que estamos diante a um filme do gênero que segue padrões então …) que é abrir um livro macabro que reside dentro da cabana ao lado das palavras profanas. Com isso, o inferno é solto na cabana.

Evil-Dead-2013-Pictures-Wallpaper

O roteiro de Fede Alvarez e revisado por Diablo Cody é uma pequena carta de amor ao filme original. Eles se preocupam em ver o circo pegando fogo e se possível, deixando aquela referencia ao filme original como uma homenagem. Além disso, o estilo do diretor segue o mesmo de Raimi no primeiro filme, ou seja, efeitos práticos e fugindo o máximo possível e esse efeito é belíssimo na tela grande. Gore ao extremo e sangue jorrando na tela, se torna até um desafio para aqueles que são descrentes no gênero e que tudo tem que ser digital.

Evil Dead – A Morte do Demônio é um ótimo filme do gênero. Ele carrega a autoconsciência de que não quer ser melhor que o original e nem suas sequências, mas sim declarar um tipo de amor para esse cinema em particular. Ao menos abriu as portas para que saia a série de Ash vs Evil Dead e os pequenos passos desse uruguaio no cinema. E no fim, ao menos Raimi revela aqui algo: que suas mãos são talentosas e para encontrar novos talentos, mais ainda.


11221708_10204665636190567_7099419575080764269_n-300x300

João Paulo

Nota: 8/10

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: