A ÚLTIMA CRIANÇA (2018): “MOSTRA UM DRAMA FAMILIAR SOBRE A DOR DE PERDER UM FILHO”

Por Alysson Melo

 

Entra ano e sai ano, mais filmes vão sendo trazidos para o público e em especial na Córeia que é especialista em construir e montar diversos filmes e em variados gêneros, o drama mais especificamente é o que eles sabem fazer de melhor e aqui em “A Última Criança” que trata de um tema polemico e atual que é reconstruir uma vida apos perder um filho, na busca por respostas e nas consequências dos próprios atos tomados por uma incansável dor e acalento de superar a dor deixada e pelo passado que os persegue.

A história conta a vida de Sungcheol (Choi Moo-Sung) e Misook (Kim Yeo-Jin), um casal que coordena uma empresa de decoração de interiores em Seoul, tentam superar a trágica perda de seu filho Eun-Chan, que faleceu há 6 meses tentando salvar um amigo de se afogar em um rio. O marido decide ajudar Gi-Hyun (Song Yoo-Bin), o menino que foi resgatado, oferecendo um emprego a ele. Mas, sem conseguir manter a mentira por mais tempo, Gi-Hyun revela o que aconteceu de verdade naquele dia no rio.

@Foto Divulgação Filme Last Child (2017)

A direção fica a cargo de Shin Dong Seok que faz sua estreia em longas metragens tendo feito anteriormente só um carta metragem “Gahee-wa BH”. Ele consegue montar toda a atmosfera de um casal que sofre as consequências de viver a cada dia a sombra do filho morto, o diretor conseguiu extrair dos atores toda a verdade e a emoção necessária para dar vida a esses personagens de forma bem realista e no ponto certo, sem muitos melodramas ou clichês do gênero.

No elenco principal temos Choi Moo-Sung e Kim Yeo-Jin que possuem poucos trabalhos em longas metragens e que conseguiram mostrar esses personagens de forma que nos cativasse e nos tocasse, transparecer para tela a vida dessa família destruída e tentando seguir em frente mesmo quando o passado nos dizem o contrário. Destaque também para o jovem Song Yoo-Bin que traz todo esse lado enigmático e misterioso, ao mesmo tempo que se mostra um menino rebelde e sem rumo na vida.

@Foto Divulgação Last Child (2017)

O roteiro também escrito por Shin Dong Seok traz todo esse drama e superação, ao contar esse enredo sobre um casal dividido em reconstruir suas vidas ou viver em função do passado e na busca por respostas sobre o que de fato aconteceu. A historia diria que foi dividida em dois grandes momentos; o primeiro seria na família e o cotidiano apos a tragédia e na experiência em ajudar um jovem a mudar de vida e a relação que os une. E na segunda seria na descoberta da verdade sobre as causas da morte e sobre como de fato tudo isso poderia mudar o rumo de suas vidas. O primeiro ato foi bem construído apesar de algumas cenas serem extremamente desnecessária, no segundo ato a história da uma reviravolta (que não vou contar a vocês para não estragar a experiência) que da um novo tom a narrativa que faz com que toda a construção seja quebrada e logo reconstruída em seguida, quebrando os paradigmas de herói que foi aclamado anteriormente, sendo bem melhor montado o segundo ato apesar de ser rápido e menor.

A Última criança (The Last Child) no original é um drama familiar sobre a luta de um casal ao perder um filho, todo o sofrimento que os levam para o passado e os novos rumos que terão que dar para o futuro, mesmo com o sentimento de culpa que eles carregam. O longa traz vários temas como amor, amizade, superação, piedade, lealdade e de como seguir em frente mesmo com toda a dor e sofrimento que levarão para o resto de suas vidas.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: