15H17: TREM PARA PARIS(2018) “BIOGRAFIA EM FATOS REAIS COM PERSONAGENS REAIS NUMA VIAGEM ENTEDIANTE”

Por Vinicius Montano

 

Clint Eastwood nos trás grandes obras primas que muitas das vezes é indicado a Oscar e Globo de Ouro e ganha alguns prêmios. Mas esse filme na qual vamos falar não teve nada a ver com indicação a premios e tal. É o ’15h17: Trem Para Paris’, a mais nova atração dele e estréia da semana nas telonas. Protagonizado por três heróis reais que impediram um ataque terrorista dentro de um trem que ia em direção a Paris, o filme conta a infância até a parte adulta do trio.

A história conta quando um terrorista invade o trem n° 9364 da Thalys a caminho de Paris, três amigos e soldados norte-americanos – Anthony Sadler, Alex Skarlatos e o piloto da Força Aérea Spencer Stone – se esforçam para imobilizar o extremista, armado com um fuzil AK-47, e evitar uma enorme tragédia.

@15:17 Trem para Paris / Divulgação Warner Bros

O roteiro da início a como os três heróis reais se conheceram na escola na sala da diretoria, e flashbacks no momento que o terrorista está andando na estação antes de embarcar na composição. A maneira como ele se desenvolve é rasa, não tem nenhuma profundidade e as vezes persiste em um dos três personagens principais e deixa de dividir o espaço do resto, algumas coisas de viagem que o trio fez antes de se encontrar no momento do incidente foi deixado de lado, a edição é morna e não tem lógica em algumas vezes.

Os personagens reais vividos por Anthony Sadler, Alex Skarlatos e Spencer Stone tem seus pontos de vista de cada um deles, mas exageram feio em mostrar mais tempo do personagem Spencer na vida adulta fazendo provas pra se preparar para ingressar na carreira militar enquanto Alex e Anthony tem pouco espaço em cena na parte adulta, já na infância durante o ensino fundamental eles tem bom destaque de cena. No elenco temos Judy Greer e Jenna Fischer como a mãe de Alek e Spencer numa atuação de figurantes, Thomas Lennon e Tony Hale.

Numa trama com uma história boa, mas contada em um documentário do Investigação Discovery, ’15h17: Trem Para Paris’ é um drama biográfico falho e chato em vários sentidos, porque mesmo o trio de personagens reais atuar bem, falta muito potencial para ser um baita filme, os 5 minutos finais são a única parte legal do filme, no mais comparando dos filmes do Clint Eastwood esse eu achei parado e chato.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: